Era uma vez em… Hollywood: Tarantino celebra o cinema com trilha sonora dos anos 1960

Por: Airton Daniel

Acaba de chegar aos cinemas do Brasil, o novo filme de Quentin Tarantino: Era uma vez em… Hollywood. No seu nono trabalho, se considerarmos Kill Bill Volume I e Volume II como uma só produção, Tarantino conta (à sua maneira) as transformações que sacudiram o mundo em 1969 e, para tanto, utiliza como pano de fundo os assassinatos brutais cometidos por Charles Manson e o seu grupo de seguidores naquele ano.

Como das vezes anteriores, o filme agrada não só os cinéfilos, como também os fãs de música. E é assim desde o seu primeiro trabalho, Cães de Aluguel (1992). Impossível não lembrar de uma passagem emblemática daquele filme, quando o personagem interpretado por Michael Madsen tortura um suposto traidor dançando e cantarolando “Stuck in the Middle With You”, da banda Stealers Wheel.

O que dizer, então, da dança de Mia Wallace (Uma Thurman) e Vincent Vega (John Travolta) em Pulp Fiction (1994), ao som de “You Never Can Tell”, de Chuck Berry. Os passos que os dois tiveram que improvisar, no meio do palco do restaurante fictício Jack Rabbit, entraram para a história do cinema.

A filmografia de Tarantino conta com cenas antológicas tendo uma trilha sonora caprichada como suporte. E em Era uma vez em… Hollywood não é diferente. Pelo trailer, fica claro que a nova produção do cineasta é um prato cheio para quem curte o rock dos anos 1960.

O memorável grupo americano The Mamas & The Papas se faz presente em “Straight Shooter”, música que contextualiza bem a época em que a história se passa e as armas que aparecem em alguns trechos do trailer.

A canção “Good Thing”, de Paul Revere & Raiders, também se relaciona perfeitamente com o enredo de Era uma vez em… Hollywood. Seus versos inúmeras vezes se referem a “vibrações negativas”, o que tem tudo a ver com a temática do longa.

No mesmo contexto, está “Brother Love’s”, de Neil Diamond. A letra da música fala de “Uma noite quente de agosto” e os crimes cometidos por Charles Manson aconteceram, justamente, nos dia 8 e 9 de agosto de 1969.

Além disso, não podemos esquecer que a ironia é marca registrada nos roteiros de Tarantino. A canção “Bring a Little Lovin’”, escrita por Harry Vanda e George Young, do grupo australiano The Easybeats, simplifica bem esse estilo. O ritmo marcante e os vocais repetem a seguinte mensagem: “traga um pouco de amor”.