O fim do MP3?

De acordo com a agência alemã Fraunhofer Institute for Integrated Circuits, o formato MP3 está com seus dias contados. Arquivos em MP3 se tornaram uma febre em fins da década de 90 e ao longo dos anos 2000, conectando amantes de música ao redor do mundo em suas buscas pela internet, facilitando que interesses e preferências fossem compartilhados com seus pares.

Apesar da notícia, os colecionadores de música podem ficar sossegados, já que o formato não vai deixar de funcionar: “Mas não espere atualizações e suporte profissionais de agora em diante”, informa o instituto.

A mudança, de acordo com o Instituto Fraunhofer, se deve graças à incursão de novos formatos, como o AAC, que permite o armazenamento de maior quantidade de dados em alta qualidade, utilizando menos megabytes.

O técnico de áudio Jamil Fakih explica que formatos como o AAC são ainda mais funcionais para as plataformas de streaming e apresentam menos perda na qualidade com a compreensão de dados.

“Na compressão de dados, tanto os arquivos em MP3 quanto os em AAC apresentam perda de qualidade de áudio. Contudo, o AAC é mais compatível com a transmissão ao vivo e com o streaming e, além disso, o formato soa melhor que seu antecessor. Tá ai o principal motivo para o MP3 cair em desuso”, observa Jamil.

E agora? Para quem ainda tem uma relação de afeto com o MP3, o lance é desapegar daquele monte de arquivos armazenados em seu PC. O que vai ser da música daqui para frente? Só o tempo vai nos dizer.

Texto: Carla Maio

Foto da capa: Divulgação/Intenso