As impressões de um maestro sobre o rock na cidade

O maestro Emiliano Patarra é o grande comandante da Orquestra Jovem Municipal de Guarulhos. No último domingo, o maestro confessou que se impressionou com a diversidade das bandas locais que dividiram o palco do Rock em Concerto, no Parque Linear Transguarulhense, no Parque Continental, com a orquestra interpretando clássicos do estilo, e que também gostou de conhecer este “outro lado cultural da cidade”. As bandas Arhes 21 e Vitrola Mágica, que integram a Associação Cultural Rock Guarulhos (ACRG), foram convidadas a participar do evento, que também contou com a banda Audiência Zero.

Maestro disse ter gostado da apresentação das bandas junto com a orquestra

“Eu achei muito legal a participação dos grupos da cidade, em especial por serem grupos autorais. Tem um conjunto grande de gente atuando e curtindo rock na cidade e produzindo coisas próprias, assimilando influências. Gostei de ver a mescla de coisas ligadas ao punk, à música brasileira, junto com a linguagem do Hard Rock, isso me pareceu muito interessante”, disse o maestro.

Também impressionou o músico o fato de as bandas locais terem um público próprio. “A apresentação do Arhes 21 foi feita debaixo de chuva e o público que veio para assistir não foi embora de jeito nenhum, ficou lá para assistir. Esse foi um passo bem interessante, eu gostei de estar perto desse outro lado cultural de Guarulhos que eu não conhecia”.

Para o maestro, outro fato sensacional do evento foi tirar a orquestra dos locais típicos de apresentação e buscar uma aproximação com a população. “Eu acho muito interessante que a gente possa levar a música de orquestra para outros lugares que não o teatro. Antes e acima de tudo porque a orquestra é da cidade, como eu costumo dizer sempre, tem que ir aonde a gente pode ser visto. Tem muita gente que tava lá assistindo que talvez não vá até o Adamastor e que agora teve contato com a orquestra e sabe que ela existe. A pessoa vai sentindo que a orquestra é um patrimônio que pertence a todos os cidadãos.

O performático Rubens Mello abriu os trabalhos com a banda Vitrola Mágica

Patarra ressaltou que a apresentação no Parque foi uma quebra de paradigma. “Você quebra um pouco o o modelo de que a orquestra tem que se apresentar dentro do teatro, assim e assado, essa não é nem de longe a única apresentação para um público deste tamanho”.

Orquestra tocou diversos clássicos do rock de bandas como Metallica e Deep Purple

Texto: Eurico Cruz e Carla Maio
Fotos: Ronald R. Amadeu – Tuco