Cabeça pilhada lança videoclipe com a participação de Mao, do Garotos Podres

Tortura, opressão, perda da liberdade de expressão, morte. Para enfatizar os horrores da ditadura militar que assolou o país no período de 1964 a 1985, e cujo golpe completou 56 anos no último dia 31, a banda Cabeça Pilhada lançou o videoclipe da música “1964 (Nunca Mais)”, faixa que compõe seu álbum intitulado de estreia, lançado em 2018.

Com edição de Kenny Lopes e edição e finalização de Bruno Vieira, o vídeo conta com a participação especial de Mao, vocalista do Garotos Podres. “Sempre curtimos Garotos Podres, assim como outras bandas de punk rock dos anos 80 e 90. Gostamos muito do sarcasmo que Mao coloca nas letras da banda”, explica o vocalista Luiz Fernando Molinari. O contato com Mao foi possível por meio do diretor Zé Márcio, que dirigiu videoclipes da Cabeça Pilhada (Mendigos do Wi-fi) e do Garotos Podres. “O Mao topou na hora”, comemora Molinari, satisfeito com essa interação com um dos ícones do rock nacional.

Molinari explica ainda que a letra de “1964 (Nunca Mais)” foi escrita em 2015: “Na época, a gente sequer podia imaginar que pessoas pudessem pedir a volta da ditadura”, explica transtornado. Declaradamente contra quaisquer tipos de ditadura, sejam de esquerda ou e de direita, Molinari enfatiza a importância do estudo para os jovens, sobretudo de História, para que as fakes news deixem de viralizar: “Nos dias de hoje, é muito importante que, acima de tudo, a gente possa expressar nossa opinião. ‘1964 (Nunca Mais)’ retrata dias difíceis pelos quais o Brasil passou, espero que a letra possa inspirar as pessoas a conhecer mais sobre essa época”.

Grandes parceiros
Em julho do ano passado, a Cabeça Pilhada agitou os fãs de rock de Guarulhos quando dividiu o palco da Bally Bagus Out com as bandas Carbônica, Elfara, Filipe Fritos e os Monstros Siderais, L.O.T.U.S e Kalango Kid durante as comemorações do Dia Mundial do Rock, evento organizado pela Associação Cultural Rock Guarulhos.

Além do vocalista Luiz Fernando Molinari, a Cabeça Pilhada é formada pelos músicos Sheik Leandro (baixo & backing vocal), Keny (guitarra) e Daniel (bateria). Suas composições explosivas e engajadas, que a exemplo de “1964 (Nunca Mais)” denunciam a desigualdade social e opressão que assolam o Brasil, denotam claras influências de bandas como Bad Brains, Dead Kenendys, Ratos de Porão, Raimundos, Suicidal Tendencies, Sepultura, Cólera, The Clash, entre outras.

Para saber mais, siga a banda Cabeça Pilhada das redes sociais:

Spotify: https://spoti.fi/3apUsaG

Deezer: https://bit.ly/33YNYO3

Instagram: https://cabecapilhada_hc

Facebook: facebook.com/cabecapilh